Colunistas

Idade avançada e as anemias


Dra. Maria de Lourdes Pires Nascimento, MD
Hematologista, Universidade Federal da
Bahia / UFBa, MD
[email protected]

 

 

Anemia está presente em cerca de 10% dos indivíduos com mais de 65 anos e aparece em até 30% naqueles com mais de 75 anos de idade, sendo a prevalência um pouco mais elevada nos homens (4, 6, 7, 15).
Nos países desenvolvidos e em desenvolvimento, o aumento do número dos idosos e da alta prevalência de anemia nestes indivíduos, é necessário que seja conhecido os seus mecanismos, porque as anemias afetam a qualidade de vida, tendo alta morbidade, influenciando de modo negativo a qualidade de vida dos idosos. A presença da associação de outras morbidades, que também é frequente nestas populações, exacerba as consequências clínicas da anemia. A mortalidade também é maior nos idosos com anemia quando comparada com pacientes portadores das mesmas patologias, mas sem anemia. Por exemplo, a mortalidade por cardiopatias é maior nos anêmicos. As transfusões, assim como o uso de eritropoietina melhoram os níveis de hemoglobina dos idosos e, com isso, reduzem a mortalidade (2, 3, 8, 10, 12).
Com o avançar da idade ocorrem alterações naturais e fisiológicas na hematopoiese (1, 5, 6, 9, 11, 13, 14, 16, 17, 18), tais como:
– A celularidade da medula óssea diminui com a idade, provavelmente decorrente de um aumento do tecido adiposo pela osteoporose do idoso. A medula óssea tem preservada a sua função apesar da idade, o que se demonstra pela resposta normal aos fatores estimulantes de crescimento de células hematológicas, por exemplo a GCSF e a eritropoietina. A capacidade de proliferação celular das células-tronco na medula óssea não é comprometida durante toda a vida.
– Os níveis de 2-3-DPG diminuem, as hemácias apresentam maior fragilidade osmótica, sendo estas alterações discretas, podendo ser uma consequência do valor mais elevado para o VGM uu3.
– Os níveis de Ferro diminuem enquanto que os valores de Ferritina aumentam, consequentemente existe um aumento nos depósitos de Ferro ao longo da vida.
– Os níveis de Eritropoietina são normais, e aumentam na presença da hipóxia, da mesma forma que acontece nos jovens.
– Os níveis de Vitamina B12 e Acido Fólico são mais baixos nos idosos, apesar de que nem sempre os idosos são anêmicos. Entretanto a carência destas vitaminas são uma das principais causas de anemias nos idosos.
– Com a idade aumenta a frequência de anormalidades cromossômicas, isto pode ser relevante porque patologias da medula óssea, ou mesmo em outros tecidos, ocorrem com maior frequência nos idosos.

Referências
1 – Carmel R, et al. Nutritional anemias and the elderly. Semin Hematol 45 (4): 225-34, 2008.
2 – Cliquet MG. Anemia no idoso. RBM. 67 (4): 89-96, 2010
3 – Culleton B., Manns B., Zhang, J, et al. Impact of anemia on hospitalization and mortality in older adults. Blood. 107(10):3841-3846, 2006.
4 – Eisenstaedt R, Ferrucci L, Klein H, Woodman R. Prevalence of anemia in persons 65 years and older in the United States: evidence for a high rate of National Center for Health Statistics. The third National health and nutrition survey (NHANES III, 1988-94) reference manuals and reports. Hyattsville, MD:National Center for Health Statistics 1996.
5 – Gabrilove J., et al. Anemia and the elderly: clinical considerations. Best Pract Res Clin Haematol. 18 (3):417-22, 2005.
6 – Guaralnik J., Ershler W., Schrier S., Picozzi V. Anemia in the elderly: A Public Health Crisis in Hematology. Am Soc Hematol Educ Pogram. (1): 528 – 532, 2005.
7 – Guaralnik JM, Eisenstaedt LF, Harvey GK, Woodman RC. Prevalence of anemia in persons 65 years and older in the United States: evidence for a high rate of unexplained anemia. Blood 104 (8): 2263-2268, 2004.
8 – Hofbrand A. Essential Haematology. Chapter 3 – Hypochromic Anemias. Page 28. Fifth Edition. Blackwell Publishing. 2006.
9 – Marley S., Lewis J., Davidson R., et al. Evidence for a continuous decline in stem cell number with age. Br J Haematol. 106:162-166.1999.
10 – Pan W-H, Habicht J-P. The non-iron-deficiency-related difference in hemoglobin concentration distribution between blacks and whites men and women. Am J Epidemiol. 134: 1410-1416, 1991.
11 – Patel K., et al. Epidemiology of anemia in older adults. Semin Hematol. 45(4):210-217, 2008.
12 – Powers A, Silberstein LE. Autoimmune hemolytic anemias. In: Hoffman R, Benz EJ Jr., Shattil SJ, et al, eds. Hoffman Hematology: Basic Principles and Practice. 5 th Chap. 47, Ed. Churchill Livingstone Elsevier; Philadelphia, Pa 2008.
13 – Schrier SL, Price EA. Extrinsic nonimmune hemolytic anemias in: Hoffman R, Benz EJ, Shattil SJ, et al. Eds. Hoffman Hematology: basic Principles and Practice Chap 48. Sth Ed. Pa. Churchill Livingstone Elsevier, Philadelphia, Pa. 2008.
14 – Serraj K, Frederici L etal. Nutritional anemias in elderly patients. Press Med 37 (9): 1319-1326, 2008.
15 – WHO. World Health Organization, Global database in anaemia. Wordwide prevalence of anaemia 1993-2005. Capturado em 30 de junho de 2008.
16 – Williams W. In: Williams Hematology. Fiftth edition. Chapter 9. Hematology in the aged. Page 73, McGraw Hill 1995.
17 – Wu E, Rathore S, et al. Blood transfusion in elderly patients with acute myocardial infarction. N Engl J Med. 345: 1230-1236, 2001.
18 – Zago M, Falcão R., Pasquini R. Hematologia, Fundamentos e prática. Parte IV – Anemias por Insuficiência da medula óssea. Atheneu. 1ª. edição, 2001.

Mostre mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close