Adoção de nome social em laboratório é um passo para o respeito à diversidade


Quem não gosta de ser bem tratado ao chegar num laboratório para fazer um exame clínico, ainda mais pelo fato de, geralmente, estar em jejum ou ter passado por alguma restrição que o deixe mais sensível. A mesma coisa acontece na questão do nome social. Para que um cliente se se sinta aceito da forma em que se identifica, sendo respeitado e apoiado neste caso, é fundamental que o laboratório adote o nome social nos seus processos, desde a fase inicial do atendimento. O nome social é aquele pelo qual as pessoas escolhem ser identificadas em seu meio social. Travestis, transexuais, transgêneros e intersexuais podem ser autodenominar com um nome diferente daquele que foi registrado.

É definido como a adoção ou adequação do senso de identificação da pessoa, referenciando o nome que o representa. Assim, a pessoa evita a exposição desnecessária e o constrangimento de ser tratada de uma forma que não condiz com sua condição humana, psicológica, moral, intelectual, emocional e que não a representa. Algumas entidades já regulamentaram o uso do nome social, independentemente da autorização judicial para troca de nome nos documentos civis de funcionários de órgãos públicos, tais como a Administração Pública Federal, regulado pelo Decreto nº 8.727 de 28 de abril de 2016, que “dispõe sobre o uso do nome social e o reconhecimento da identidade de gênero de pessoas travestis, transexuais, transgêneros e intersexuais no âmbito da administração pública federal direta, autárquica e fundacional”.

No caso do laboratório, a informação do nome social é utilizada somente em locais onde os usuários do sistema tenham alguma informação para a acesso ao paciente. Hoje, os softwares de laboratórios permitem que a adoção do nome social seja inserida em processos, desde cadastro, chamada do paciente, nos laudos, monitores, na assinatura de exames, nas impressões do laboratório, até em protocolos e etiquetas, por exemplo. Lembrando que os colaboradores da linha de frente do laboratório devem estar atualizados com as informações referentes a esse tema e apresente aos clientes essa funcionalidade do sistema com olhar empático e eficiência técnica.

Os laboratórios devem entender a importância da diversidade, tratando o assunto com respeito e apoio. Implantar o nome social é para os pacientes um grande passo para estabelecer sua identidade. Afinal, o tratamento adequado com cordialidade e respeito com todas as pessoas que chegam a um laboratório é primordial para garantir o seu bem-estar e a sua fidelização. E o setor de saúde como um todo tem de ser exemplo e referência do respeito à diversidade. 

NOSSOS PARCEIROS