Quem são seus clientes?


O consumidor tem se tornado cada vez mais bem informado e consciente de suas escolhas, selecionando produtos/ serviços que consigam compreendê-lo integralmente e se aproximar dele de forma mais personalizada.

Com inúmeras ofertas, informações e opiniões diferentes à sua disposição, é dele o poder de selecionar a marca que compreende, desde as suas necessidades básicas, até as mais profundas (os seus valores). Magazine Luíza, Amazon, Ifood, Nubank, Dasa e Fleury são alguns exemplos de marcas que olham para seus clientes de forma integral, a fim de gerar valor e proximidade. Não à toa, são marcas que não param de crescer.

Contudo, ainda tenho visto empresas construindo e investindo em estratégias de marketing pensando puramente em divulgar sua marca ou serviço para uma massa de pessoas com características comuns mais genéricas como: região, faixa etária, gênero, etc., o que não é errado, porém sozinho não atinge o potencial cliente de forma eficiente e principalmente, não gera identificação.

E como saber quem é meu cliente? Como direcionar minha estratégia de marketing para alcançar as pessoas certas e gerar valor para elas?

É aí que entra a criação da persona (também conhecida como avatar), um personagem semifictício, baseado em dados reais sobre o seu público, que representa o cliente ideal, ou seja, o desenho da persona descreve características que direcionam o marketing a construir uma estratégia capaz de ajudar o cliente ou potencial cliente a se identificar com a sua marca e te escolher no momento em que precisar decidir em quem confiar e porquê.

Mas qual a diferença de persona e públicoalvo?

Persona, como o nome já diz, é a versão mais personalizada possível do seu cliente final, enquanto o público-alvo dá uma visão geral de uma fatia de pessoas que podem comprar seu produto ou serviço:
Exemplo de público-alvo de um laboratório clínico: mulheres, de 25 a 55 anos, que moram ou trabalham na Região Metropolitana de Campinas – SP e possuem renda fixa.
Exemplo de persona baseada em dados reais do público de um laboratório clínico:

Ângela é uma mulher de 38 anos, casada e com um filho. Mora em Valinhos e trabalha em Campinas, cidades vizinhas, do estado de São Paulo. Gosta de praticar atividade física e aproveitar o tempo livre com a família e amigos. Precisa realizar exames de rotina solicitados por seu médico e busca serviços que lhe proporcionam segurança e otimização de tempo. Gostaria de poder usar o seu convênio, mas pagaria pelo serviço se for de sua confiança e atender às suas necessidades.

Ângela tem fobia de agulhas e dá preferência por indicações ou serviços bem referenciados/ avaliados.

Note que descrever com mais detalhes a personalidade do seu cliente ideal te ajuda a definir os melhores canais (onde), momentos (quando), assuntos (o que), tom de voz (como) e assim otimizar a experiência, gerar valor e construir melhor a jornada dele até você.

Quando uma empresa não tem sua persona definida, provavelmente não conhece tão bem o cliente e não está explorando todo valor que a marca pode gerar. E a sua, como está?

NOSSOS PARCEIROS

Nós protegemos seus dados

Saiba como usamos seus dados em nosso Aviso de Privacidade e Termo de Uso. Ao clicar em “Aceitar”, você concorda com os Termos de uso e a Política de Privacidade da LaborNews.