A Ferritina e a Anemia por Inflamação Crônica


A Ferritina é uma proteína sintetizada pelo fígado que possui função majoritária de estocar o ferro no organismo, tendo capacidade de armazenar até 4500 íons deste metal. Por ter essa capacidade, as concentrações de ferritina aumentam em resposta ao processo inflamatório como mecanismo de defesa do organismo para reduzir a disponibilidade de ferro disponível para o agente patógeno.

 

Em pacientes com processo inflamatório crônico, como aqueles acometidos por doenças autoimunes, doença renal ou câncer, o aumento dos níveis de ferritina pode levar à indisponibilidade de ferro para o processo hematopoiético. Em casos mais longevos, o paciente pode desenvolver anemia por inflamação crônica, com a presença de hemácias microcíticas e hipocrômicas à microscopia (2). Mundialmente, a anemia da doença crônica é a 2ª anemia mais comum. No começo, os eritrócitos são normocíticos e com o tempo se tornam microcíticos. A questão principal é que a eritropoiese é limitada pelo sequestro inadequado de ferro.

 

Dos vários mecanismos envolvidos na etiopatogenia da Anemia de Doença Crônica, os três principais são: diminuição da sobrevida das hemácias, resposta medular inadequada frente à anemia e distúrbio do metabolismo do ferro. A Anemia de Doença Crônica compreende uma das alterações de um complexo de respostas metabólicas frente à estimulação do sistema imunológico celular. Esta resposta inicia-se com a ativação dos macrófagos e a elaboração e secreção de citocinas. Tem sido cada vez mais evidente a participação central dos monócitos e macrófagos na patogênese da Anemia de Doença Crônica.

 

Níveis séricos de ferritina < 100 µg/L em um paciente com quadro inflamatório (< 200 µg/L em pacientes com doença renal crônica), sugere que possa haver superposição de deficiência de ferro devido à anemia por doença crônica, ainda que a ferritina sérica possa estar falsamente elevada em resposta à fase aguda da inflamação.

 

A BioTécnica disponibiliza diversos produtos que avaliam o metabolismo do ferro, como os reagentes de Ferro (Cromazurol e Ferrozine), Transferrina, Capacidade de fixação do ferro e UIBC. A dosagem de Ferritina utiliza o método de imunoturbidimetria, com calibrador incluso no kit. É aplicável à maioria dos analisadores. Como diferenciais, o reagente apresenta linearidade de 9,9 a 585 µg/L e não apresenta efeito pró-zona até a concentração de 2300 µg/L. Entre em contato com a BioTécnica através do nosso site ou de nossas redes sociais.

 

Referências bibliográficas 1) Daher R, Karim Z. Iron metabolism: State of the art. Transfusion Clinique et Biologique. 2017 Sep 1;24(3):115-9. 2) Nemeth E, Ganz T. Anemia of inflammation. Hematology/ Oncology Clinics. 2014 Aug 1;28(4):671-81. 3) CANÇADO, R. D.; CHIATTONE, C. S.; Anemia da Doença Crônica. Revista Brasileitra. V. 24, p. 127-136, 2002

NOSSOS PARCEIROS

Nós protegemos seus dados

Saiba como usamos seus dados em nosso Aviso de Privacidade e Termo de Uso. Ao clicar em “Aceitar”, você concorda com os Termos de uso e a Política de Privacidade da LaborNews.