Covid 19, considerações laboratoriais e de segurança


Em dezembro de 2019, uma série de casos de pacientes com pneumonia de origem desconhecida emergiu em Wuhan, na província de Hubei na China. Prontamente, o antígeno até então desconhecido foi isolado e identificado como pertencente à família Coronaviridae, sendo então intitulado 2019 novel coronavirus (2019- nCoV). No Brasil, o novo vírus ficou conhecido como Covid 19. O Covid 19 é um vírus de RNA envelopado pertencente à família Coronaviridae que pode produzir dedes de uma infecção assintomática, até complicações respiratórias graves, como a síndrome respiratória aguda, que pode levar a óbito.

No esforço de conter a propagação do vírus, muitos estudos acerca de terapias, métodos preventivos e métodos de diagnóstico da infecção vêm sendo desenvolvidos. Em fevereiro de 2020, um grupo chinês publicou no período “The Lancet”, um estudo (1) com os achados clínicos, radiológicos e laboratoriais de 41 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid 19 através da técnica de RT-PCR (Reverse Transcription Polymerase Chain Reaction). Os pacientes foram divididos em três grupos*, sendo eles: Pacientes Totais, Graves e Ambulatoriais.

Dentre os achados referentes às alterações laboratoriais, o artigo destaca: - Linfócitos: Foi avaliado que 63 % dos grupos pacientes totais e 85% do grupo pacientes graves apresentaram linfopenia; - Tempo de Pró-trombina e dímero D: Valores elevados em pacientes graves, quando comparados aos pacientes ambulatoriais; - AST (TGO) Níveis elevados em 62% dos pacientes graves; - Troponina I (Ultra Sensível): Valores substancialmente elevados em pacientes com acometimento cardíaco; - Lactato desidrogenase (LDH): Aumentado em 73% dos pacientes totais e em 92% dos pacientes graves.

Dada a origem infecciosa, outros marcadores de atividade inflamatória como a Proteína C Reativa também estão alterados em pacientes portadores de Covid 19. Apesar da pequena quantidade de pacientes avaliados por este estudo, os resultados auxiliam na triagem dos pacientes potencialmente infectados pelo Covid 19, reduzindo o risco de transmissão do vírus desses pacientes para outros indivíduos hígidos. Ainda que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) tenha aprovado em 19 de março de 2020 oito novos kits para diagnóstico do Covid 19 (e em breve certamente teremos mais algumas opções), o país ainda conta com pouca disponibilidade de testes confirmatórios. Por essa razão, é de suma importância a divulgação de dados que auxiliem na triagem desses pacientes, como os que foram acima apresentados.

Outro fator importante a ser observado é a paramentação de segurança necessária para evitar o contágio pelo Covid 19. Essa questão é tão importante que um estudo (2) publicado na Itália mostrou que, dos 22.512 pacientes diagnosticados com Covid 19, 2.026 eram funcionários do sistema de saúde. O que se tem por consenso hoje, é que os profissionais devem continuar se atentando às medidas preconizadas pelo documento intitulado: “Cartilha de Proteção Respiratória contra Agentes Biológicos para Trabalhadores de Saúde” (3). Estamos atravessando um momento de muitos desafios, onde todos precisarão de todos.

A Biotécnica reforça o seu compromisso em servir à vida, mantendo com precaução, segurança e efetividade a operação da fábrica de kits, de forma a suprir os laboratórios com alguns dos diversos produtos necessários ao Diagnóstico In Vitro. Conte com a Biotécnica! *Os nomes dos grupos de pacientes foram alterados para facilitar a compreensão do estudo.

 

Referência Bibliográfica: 

1. Huang C, Wang Y, Li X, Ren L, Zhao J, Hu Y, et al. Clinical features of patients infected with 2019 novel coronavirus in Wuhan, China. Lancet. 2020;395(10223):497-506. 2. Livingston E, Bucher K. Coronavirus Disease 2019 (COVID-19) in Italy. Jama. 2020. 3. Cartilha de Proteção Respiratória contra Agentes Biológicos para Trabalhadores de Saúde, disponível em http://portal.anvisa.gov.br/, acessado em 24.03.2020 às 18:00 horas.

NOSSOS PARCEIROS