Linha Coagulação Wama Diagnóstica


Fibrinogênio - O fibrinogênio desempenha dois papéis essenciais no organismo, ele é uma proteína de fase aguda, podendo aumentar em até 20 vezes nos processos inflamatórios agudos, e é também uma parte vital da via comum do sistema de coagulação. O aumento na concentração do fibrinogênio está associado à doença cardiovascular aterosclerótica e a ocorrência de eventos vasculares isquêmicos (infarto do miocárdio e derrame cerebral). Ele também pode estar elevado nos cânceres de estômago, mama e rim. Níveis diminuídos de fibrinogênio podem ser encontrados em doença do fígado, câncer de próstata, doença pulmonar, lesões na medula óssea, subnutrição e coagulação intravascular disseminada (CIVD). Outras condições raras de deficiência de fibrinogênio são os distúrbios quantitativos (afibrinogenemia e hipofibrinogenemia) e qualitativos (disfibrinogenemia). 

Linha de Coagulação Wama Diagnóstica do kit para avaliação da determinação de fibrinogênio no plasma. Apresentação: 40 e 100 testes. TP (ISI próximo a 1)
A formação do coágulo de fibrina no sítio de lesão endotelial representa um processo crítico para a manutenção da integridade vascular. O tempo de protrombina é o método de escolha para o monitoramento da terapia oral de anticoagulação. É um teste de triagem fundamental para doenças sanguíneas adquiridas ou herdadas. Durante a terapia oral de anticoagulação,
a atividade dos fatores de coagulação da vitamina K-dependente (II, VII, IX, X, Proteína C e Proteína S) é reduzida e o tempo de protrombina é aumentado. O teste é usado para a determinação quantitativa dos fatores de coagulação sanguínea por vias extrínsecas (VII) e por vias comuns (II, V e X) da coagulação.

Linha de Coagulação Wama do kit Coagulação-TP para determinação do tempo de protrombina (TP) por vias extrínsecas (fator VII) e por vias comuns (fatores II, V e X) da coagulação. Apresentação: 60, 100 e 200 testes.

TTPa - O TTPa avalia a via intrínseca da coagulação, portanto avalia os fatores VIII, IX, XI e XII, bem como os fatores X, V, II e I da via comum. O teste é usado para detecção de deficiências ou inibidores dos fatores de coagulação da via intrínseca ou comum, além de ser o teste de escolha para monitorização da terapia de anticoagulação com heparina e para screening do anticoagulante lúpico. Ele também é sensível a presença de produtos de degradação da fibrina. É o teste indicado, juntamente com o TP, quando há queixas hemorrágicas e nas rotinas pré-operatórias. 

Linha de Coagulação Wama do kit Coagulação - TTPa para determinação do tempo de tromboplastina parcial ativada (TTPa). Apresentação: 40, 80 e 200 testes. 

COAGULAÇÃO - Plasmas Controle Níveis 1, 2 e 3. Os plasmas controle são utilizados para assegurar a qualidade dos testes de coagulação realizados em laboratórios clínicos. São divididos em plasmas controle de níveis 1, 2 e 3. O COAGULAÇÃO – Plasma Controle Normal – Nível 1, desenvolvido para apresentar resultados normais quando se realiza o Tempo de Protrombina e o Tempo de Tromboplastina Parcial Ativado.

O COAGULAÇÃO - Plasma Controle – Nível 2, desenvolvido para apresentar resultados moderadamente alterados quando se realiza o Tempo de Protrombina e o Tempo de Tromboplastina Parcial Ativado.

O COAGULAÇÃO - Plasma Controle – Nível 3, desenvolvido para apresentar resultados acentuadamente alterados quando se realiza o Tempo de Protrombina e o Tempo de Tromboplastina Parcial Ativado. Apresentações: 100 testes.

Fibrinogênio - O fibrinogênio desempenha dois papéis essenciais no organismo, ele é uma proteína de fase aguda, podendo aumentar em até 20 vezes nos processos inflamatórios agudos, e é também uma parte vital da via comum do sistema de coagulação. O aumento na concentração do fibrinogênio está associado à doença cardiovascular aterosclerótica e a ocorrência de eventos vasculares isquêmicos (infarto do miocárdio e derrame cerebral). Ele também pode estar elevado nos cânceres de estômago, mama e rim. Níveis diminuídos de fibrinogênio podem ser encontrados em doença do fígado, câncer de próstata, doença pulmonar, lesões na medula óssea, subnutrição e coagulação intravascular disseminada (CIVD). Outras condições raras de deficiência de fibrinogênio são os distúrbios quantitativos (afibrinogenemia e hipofibrinogenemia) e qualitativos (disfibrinogenemia). 

Linha de Coagulação Wama Diagnóstica do kit para avaliação da determinação de fibrinogênio no plasma. Apresentação: 40 e 100 testes. TP (ISI próximo a 1)
A formação do coágulo de fibrina no sítio de lesão endotelial representa um processo crítico para a manutenção da integridade vascular. O tempo de protrombina é o método de escolha para o monitoramento da terapia oral de anticoagulação. É um teste de triagem fundamental para doenças sanguíneas adquiridas ou herdadas. Durante a terapia oral de anticoagulação,
a atividade dos fatores de coagulação da vitamina K-dependente (II, VII, IX, X, Proteína C e Proteína S) é reduzida e o tempo de protrombina é aumentado. O teste é usado para a determinação quantitativa dos fatores de coagulação sanguínea por vias extrínsecas (VII) e por vias comuns (II, V e X) da coagulação.

Linha de Coagulação Wama do kit Coagulação-TP para determinação do tempo de protrombina (TP) por vias extrínsecas (fator VII) e por vias comuns (fatores II, V e X) da coagulação. Apresentação: 60, 100 e 200 testes.

TTPa - O TTPa avalia a via intrínseca da coagulação, portanto avalia os fatores VIII, IX, XI e XII, bem como os fatores X, V, II e I da via comum. O teste é usado para detecção de deficiências ou inibidores dos fatores de coagulação da via intrínseca ou comum, além de ser o teste de escolha para monitorização da terapia de anticoagulação com heparina e para screening do anticoagulante lúpico. Ele também é sensível a presença de produtos de degradação da fibrina. É o teste indicado, juntamente com o TP, quando há queixas hemorrágicas e nas rotinas pré-operatórias. 

Linha de Coagulação Wama do kit Coagulação - TTPa para determinação do tempo de tromboplastina parcial ativada (TTPa). Apresentação: 40, 80 e 200 testes. 

COAGULAÇÃO - Plasmas Controle Níveis 1, 2 e 3. Os plasmas controle são utilizados para assegurar a qualidade dos testes de coagulação realizados em laboratórios clínicos. São divididos em plasmas controle de níveis 1, 2 e 3. O COAGULAÇÃO – Plasma Controle Normal – Nível 1, desenvolvido para apresentar resultados normais quando se realiza o Tempo de Protrombina e o Tempo de Tromboplastina Parcial Ativado.

O COAGULAÇÃO - Plasma Controle – Nível 2, desenvolvido para apresentar resultados moderadamente alterados quando se realiza o Tempo de Protrombina e o Tempo de Tromboplastina Parcial Ativado.

O COAGULAÇÃO - Plasma Controle – Nível 3, desenvolvido para apresentar resultados acentuadamente alterados quando se realiza o Tempo de Protrombina e o Tempo de Tromboplastina Parcial Ativado. Apresentações: 100 testes.

NOSSOS PARCEIROS