Novo exame molecular é capaz de identificar causa da enxaqueca


A enxaqueca é uma doença crônica de ocorrência súbita dos sintomas, caracterizada por episódios recorrentes de dor, com frequência e duração variável, intercalados porperíodos assintomáticos. Os principais sintomas associados são náuseas, vômitos e sensibilidade à luz, ao som e ao odor. Cerca de um terço das pessoas com enxaqueca apresentam perturbação transitória visual, sensorial, motora ou na linguagem.

As dores, que normalmente são unilaterais, intensas e de duração prolongada prejudicam o bem-estar, o desempenho na escola e no trabalho e as relações sociais e familiares. Por este motivo a Organização Mundial da Saúde (OMS) incluiu a enxaqueca na lista das vinte doenças mais incapacitantes. A enxaqueca afeta 10% a 15% dos adultos da população geral sendo três vezes mais frequentes em mulheres. No sexo feminino, o pico de incidência está entre os 12 e os 17 anos de idade, enquanto, no sexo masculino o pico está entre os 5 e os 11 anos de idade.

A enxaqueca é multifatorial, ou seja, a soma de fatores genéticos e ambientais, hormonais e comportamentais pode levar à manifestação da doença. Se um ou ambos os progenitores apresentarem enxaqueca, há de 50% a 75% de chance de o filho também sofrer com as dores de cabeça tão debilitantes. Nos últimos anos, a identificação de genes de susceptibilidade auxiliou na compreensão dos mecanismos fisiopatogênicos da enxaqueca.

Tem sido demonstrado que mutações genéticas levam a alterações que podem provocar um estado de hiperexcitabilidade, com metabolismo cerebral anormal, que torna o sistema nervoso central, o sistema trigeminovascular e os vasos correspondentes mais susceptíveis a estímulos externos (como luminosos e alimentares) e internos (stress emocional, por exemplo), o que causa a dor.

Identificar os fatores genéticos de predisposição da família pode ajudar as gerações mais jovens a obter um diagnóstico precoce e preciso, a gerenciar gatilhos e explorar as opções de tratamento. Assim, o laboratório DB molecular desenvolveu um Painel Genético que busca por alterações em genes associados à Enxaqueca. Este exame pode ser realizado a partir de uma amostra de sangue periférico e tem prazo de 31 dias para liberação do resultado.