Quantificação de Bilirrubina Total e Direta: Importância e Tecnologia Diazo Reagente


A bilirrubina é um produto do metabolismo do grupo heme no sistema retículo-endotelial, que é conjugada no fígado e excretada na bile, sendo cerca de 80% é originada da molécula de hemoglobina circulante, pela degradação dos eritrócitos senescentes ou em processos de hemólises e os outros 20% é resultado da degradação de outros complexos proteicos. O metabolismo da bilirrubina pode ser perturbado por produção excessiva de bilirrubinas, captação reduzida do hepatócito, conjugação prejudicada, excreção hepatocelular reduzida e fluxo biliar prejudicado, o que acarretas nas mais diversas doenças hepáticas que acometem os seres humanos. O excesso de bilirrubina no organismo por sua vez é chamado de hiperbilirrubinemia.

Normalmente a análise de bilirrubina é requerida para teste de função hepática, uma vez que o catabolismo da bilirrubina faz parte do metabolismo normal do organismo e no soro a concentração de bilirrubina total é baixa, variando de 0 até 1,2 mg/dL e de bilirrubina direta varia de 0 até 0,3 mg/dL. Nos laboratórios dosa-se a bilirrubina direta e a bilirrubina total, de modo que a indireta seja calculada a partir dos valores das dosagens, dessa forma o teste de bilirrubina total deve ser capaz de mensurar as duas formas existentes, a conjugada e a não conjugada. Dependendo do distúrbio acometido, a bilirrubina não conjugada (indireta), a conjugada (direta) ou ambas (total), são as principais contribuintes de hiperbilirrubinemia.

Uma das causas mais comuns do aumento da bilirrubina indireta é conhecida como icterícia neonatal e cerca de 60% dos neonatos e 80% dos prematuros se enquadram na doença que apresenta níveis séricos de bilirrubina não conjugada acima de 5 mg/dL. Embora consequência natural do metabolismo do recém-nascido no período neonatal (primeiros 28 dias de vida), a presença de icterícia deve ser avaliada, pois com a alta toxicidade da bilirrubina e sua capacidade de atravessar a barreira hematoencefálica, os indivíduos podem desenvolver uma hiperbilirrubinemia grave, como encefalopatia aguda ou kernicterus que geram consequências neurológicas como letargia e demência. Além disso, a Bilirrubina Indireta eleva-se com a existência de anemias hemolíticas, hemólise autoimune, transfusão de sangue, reabsorção de hematomas, eritropoese ineficaz, doenças hereditárias, como as doenças de Gilbert e Crigler-Najar. Já a Bilirrubina Direta eleva-se no plasma em presença de doenças hepáticas hereditárias, como as doenças de Dubin-Johnson e Rotor, lesão de hepatócitos (viral, tóxica ou alcoólica), obstrução biliar (litíase ou neoplasias), hepatites agudas ou crônicas e reações tóxicas a várias drogas (como Clorpromazina). 

Atualmente a concentração das bilirrubinas pode ser determinada com precisão por meio de kits de diagnóstico in vitro que utilizam a metodologia dos compostos diazo. A Biotécnica possui em seu portifólio um kit de Bilirrubina Total e um kit de Bilirrubina Direta com a metodologia DCA (Dicloroanilina Diazotada). A metodologia se baseia na determinação das bilirrubinas através da reação de acoplamento com dicloroanilina diazotada, formando um azocomposto que tem absorção máxima em 550 nm. A intensidade de cor formada é diretamente proporcional a concentração de Bilirrubina Total ou Direta na amostra.

Os Kits disponíveis permitem um procedimento de determinação das bilirrubinas de forma simples e prática, a maior vantagem é a composição bireagente do kit ponto para uso, de modo que o diazo-reagente esteja em sua forma líquida e estável. Além disso, aplicação do reagente é realizada com branco de amostra, o que permite um aumento da especificidade do método e minimiza as interferências, gerando uma ótima exatidão aos resultados. Os kits permitem uma determinação de Bilirrubina Total até 50 mg/dL e de Direta até 20 mg/dL sem a necessidade de diluição da amostra, o que permite a utilização direta em amostras de sangue de recém-nascidos.

Além disso, o método é facilmente aplicável em analisadores automatizados, podendo ser realizado também de forma manual ou equipamentos semiautomáticos. A calibração de ambos os kits é feita pelo Autocal H, rastreável ao material de referência SRM 916a do National Institute of Standards and Technology (NIST), conferindo maior precisão e exatidão as suas determinações. O controle de qualidade pode ser feito pelos controles Quantinorm e Quantialt.

A BioTécnica conta com uma equipe especializada em suporte ao cliente para auxiliar em possíveis dúvidas relacionadas a todos os produtos disponíveis em nosso catálogo. Para maiores informações, nossa equipe de vendas está à disposição para lhe atender.

Biotécnica, a serviço da vida.

 

Referências:

ALMEIDA, M. F. B; DRAQUE, C. M. Icterícia no recém-nascido com idade gestacional >35 semanas. Sociedade Brasileira de Pediatria Departamento de Neonatologia. Documento científico, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Icterícia. In: Atenção à saúde do recémnascido: guia para os profissionais de saúde; v.2 Intervenções comuns, icterícia e infecções. Brasília: Ministério da Saúde; 2011. p. 59-77

MARTELLI, A. Bilirubin synthesis and metabolism, and hyperbilirubinemia associated with Gilbert’s Syndrome: A review of the literature. Rev Med Minas Gerais, v. 22, n. 2, p. 216, 2012.

 

Bianca Cristina Carvalho Reis

www.biotecnica.ind.br

sac@biotecnicaltda.com.br

+55 (35) 3214-4646

 

NOSSOS PARCEIROS