A cultura da automedicação como tema atual em evento


Nos últimos 12 meses, a busca pela palavra "cura", segundo o Google Trend, retorna como resultado de assuntos relacionados, com mais relevância, o nome de um religioso; em segundo, com menos da metade da relevância, o tema é imunologia. "Desde as cavernas o homem busca por soluções milagrosas para a cura de doenças", fala o pesquisador Leonardo Pereira, docente da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo em Ribeirão Preto (USP-RP).

Leonardo Pereira

Uma das consequências dessa busca é o uso indiscriminado de medicamentos, que tem impacto na saúde das pessoas e nos sistemas de saúde, público e privado.

A  Associação Brasileira de Ciências Farmacêuticas (ABCF) registra hoje um encontro on-line para discutir mitos e verdades sobre a questão. Leonardo, Fabiana Varallo (USP-RP) e Divaldo Lyra Júnior, da Universidade Federal do Sergipe (UFS)  marcam presença em evento conduzido pelo microbiologista Sidcley Lyra, que integra a equipe de pesquisadores do Instituto Nacional de Comunicação Pública da Ciência e Tecnologia (INCT-CPCT/Fiocruz) com a iniciativa COVID-19 Divulgação Científica.

"Desde o ano passado, com a divulgação de estudos preliminares de medicamentos que poderiam ter impacto no tratamento da COVID-19, temos travado uma verdadeira guerra de versões e o fato é que, para muito além do kit-COVID, as pessoas precisam saber como usar medicamentos em segurança e compreender que, pelo menos do ponto de vista científico, milagres não existem", explica Divaldo.

A automedicação pode ter consequências tanto com substâncias controladas, como antibióticos e anti-inflamatórios, quanto com o uso de vitaminas e suplementos. "Até água em excesso pode fazer mal", lembra Fabiana.

 

Fabiana Varallo

 

O evento da ABCF – Uso Racional de Medicamentos, mitos e verdades – será transmitido às 19h nesse dia 5 de maio na página Facebook.com/ABCFpage e tem o apoio do Laboratório de Ensino e Pesquisa em Farmácia Social e do Centro de Pesquisa em Assistência Farmacêutica e Farmácia Clínica.

 

Por: Daniela Antunes

NOSSOS PARCEIROS