Dermatologista alerta para cuidados com doenças de pele desconhecidas

Inúmeras doenças dermatológicas podem passar despercebidas, mas exigem tratamentos, que podem ser simples ou complexos, e não podem ser negligenciadas ou tratadas com receitas caseiras


Tungíase, miíase, fibroqueratoma digital adquirido, fitofotodermatite, onicomicose, paroníquia, granuloma piogênico, líquen, dermatofitose são somente algumas doenças dermatológicas comuns, muitas vezes de tratamento simples, mas desconhecidas ou confundidas com alergias, micoses, por exemplo, e tratadas de forma errada ou caseiramente.

O médico dermatologista Weber Coelho, mestre em Dermatologia pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP, alerta que há muitas doenças dermatológicas e que é preciso ficar atento para manifestações na pele, unhas ou cabelos. "Muitas delas são tratadas facilmente e com medicamentos acessíveis, mas é comum as pessoas não darem a devida importância e acabam esperando para ver se desaparecem. Em outros casos, usam alguma pomada que já tenham em casa, mas que é inadequada, ou mesmo uma receita caseira. E há ainda muitos casos de autodiagnostico errôneo – é o caso do paciente que atribui uma mancha, ou erupção ou coceira a alergia ou picada de pernilongo, por exemplo, por total desconhecimento".

Segundo o médico, isso gera complicações ou agravamentos que podem ocasionar desde incômodos maiores, afastamento do trabalho ou escola, por exemplo, até tratamentos mais severos. "É comum as pessoas acharem que se trata de uma manifestação simples na pele e que isso não necessita cuidados médicos", ressalta.

A pele é o maior órgão do corpo humano. Também é o órgão mais pesado do corpo e cerca de 15% do peso corpóreo são atribuídos à pele que cobre de 1,5 a 2 metros quadrados de área. Por isso, a pele pode sofrer inúmeras interferências do ambiente externo, interno, emocional, de hábitos de vida, de condições ambientais etc.

 

Algumas doenças

Tungíase é uma parasitose provocada por uma espécie de pulga que entra na pele humana.

Miíase é uma infecção causada por larvas de moscas presentes na pele.

Fibroqueratoma digital adquirido é uma lesão que surge na vida adulta e se localiza, preferencialmente, no dorso dos dedos.

Fitofotodermatite é uma dermatose (doenças de pele que se apresentam como alergias persistentes) e acontece por contato com planta fotossensibilizante e exposição à radiação solar na região – um bom exemplo são as queimaduras por limão.

Onicomicose é uma infecção nas unhas provocada por fungos.

Paroníquia é uma inflamação da pele em torno da unha e pode começar com a perda da cutícula.

Granuloma piogênico é uma lesão que aparece em forma de nódulo, é conhecida como carne esponjosa e ocorre mais frequentemente nos dedos, mas pode aparecer em outras áreas.

Líquen plano ungueal (LPU) é uma doença inflamatória e pode provocar alterações na raiz da unha, em baixo e também ao redor da unha.  

Dermatofitose é uma doença provocada por fungos chamados dermatófitos.

Todas essas doenças têm tratamento específico, que pode ser medicamentoso (com antibióticos, antifúngicos, corticoides, cremes etc.), com mudança de hábitos, com intervenção cirúrgica, assepsia, curativos, cauterizações, eletrocoagulações. "O não tratamento, a automedicação ou as receitas caseiras podem piorar os quadros, exigindo intervenções cirúrgicas ou tratamentos mais complexos e com sérios riscos de comprometimentos mais graves à saúde, por isso alertamos que as manchas, as coceiras, inflamações e quaisquer manifestações na pele precisam de avaliação médica antes de qualquer tratamento ou curativo caseiro", explica o médico Weber Coelho, que é dermatologista pela SBD-Sociedade Brasileira de Dermatologia e membro da SBCD-Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica.

NOSSOS PARCEIROS