Empresa europeia busca tecnologia bactericida desenvolvida na UFSCar


Nanopartículas de prata e de tungstato de prata com propriedades bactericidas e fungicidas obtidas no Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais (CDMF), sediado na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), despertaram recentemente o interesse da NOB166, empresa sediada no Parque Científico, Tecnológico e Empresarial da Universidade Jaume I, em Castellón, na Espanha.
 
A empresa é especializada no desenvolvimento e utilização de produtos nanotecnológicos no setor de limpeza têxtil (como, por exemplo, lavagem de roupas) e de superfícies. Por isso, a intenção é utilizar o método desenvolvido pelo CDMF para incorporar as nanopartículas em sua linha de produtos.
 
Em todo o mundo, vários grupos de pesquisa buscam novos agentes bactericidas e, particularmente, novas técnicas para obtenção de nanopartículas de prata, elemento com comprovadas propriedades antimicrobianas, usado para fins medicinais desde a Antiguidade, junto com o ouro e a platina.
 
O CDMF é pioneiro nessa busca: em 2013, relatou a obtenção dessas partículas, de forma inédita, sobre a superfície do tungstato de prata (semicondutor formado por óxido de prata e tungstênio - Ag2WO4), por meio da irradiação de elétrons sobre esse material, e depois, em 2018, através da ação do laser. Esses esforços também resultaram em mais um pedido de patente para o Centro, depositado em julho deste ano, com o apoio da Agência de Inovação (AIn) da UFSCar.
 
A invenção é compartilhada entre pesquisadores da própria UFSCar, da Universidade Jaume I (UJI) e, também, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). A partir de notícia sobre a incorporação da nova invenção à carteira de patentes da UJI, a NOB166 entrou em contato com os pesquisadores responsáveis, e as primeiras negociações para a transferência de tecnologia foram realizadas, com previsão de continuidade nas próximas semanas para discussão de aspectos legais e elaboração dos termos da parceria.
 
CDMF 
 
O CDMF é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepids) apoiados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e, além da UFSCar, congrega pesquisadores de várias outras instituições. O Centro também recebe investimento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), para o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Materiais em Nanotecnologia (INCTMN). Mais informações em: cdmf.org.br