Laparoscopia em cirurgias de emergência e trauma garante precisão no tratamento e diminui tempo do paciente em hospital


Hoje, o trauma representa a principal causa de morte na população abaixo de 40 anos no mundo, sendo também responsável pela maior causa de invalidez permanente para homens e mulheres com menos de 50 anos. Diariamente, milhares de pacientes em situação de emergência por complicação de doenças ou vítimas de traumas, ocasionados pelos mais diversos tipos de acidentes, são atendidos em hospitais, por isso cada vez mais é necessária atualização e qualificação especializada dos cirurgiões para que a tomada de decisões seja assertiva a fim de preservar a vida dos pacientes. Neste sentido, aliada as já consagradas modalidades de tratamento em cirurgia do trauma, a laparoscopia auxilia tanto no diagnóstico preciso quanto no tratamento, além de proporcionar recuperação mais rápida e diminuir o tempo dos pacientes nos hospitais. 

De acordo com o diretor do curso de Emergência e Trauma do IRCAD América Latina (Instituto de Treinamento em Técnicas Minimamente Invasivas), unidade Barretos, secretário geral da Sociedade Brasileira de Atendimento Integrado ao Traumatizado e professor titular da UNISA, Marcelo Ribeiro, as cirurgias de trauma e emergência representam um grande desafio, mesmo para os cirurgiões mais experientes, por isso é importante que os cirurgiões estejam sempre atualizados.

Nos dias 13 e 14 de junho, será ministrado curso avançado para cirurgiões de todo Brasil, onde além de ricas discussões de casos com especialistas do Brasil, Estados Unidos e Colômbia, será permitido aos alunos o treinamento de manobras em cirurgia do trauma assim como na abordagem laparoscópica para tratamentos agudo e de trauma, “a laparoscopia diagnóstica dá maior precisão no diagnóstico de lesões principalmente nas vítimas de trauma que se encontrem estáveis e também pode, por exemplo, excluir a necessidade de cirurgias com grandes incisões como a laparotomia, sendo a via laparoscópica um procedimento que acelera a recuperação do paciente e diminui sua permanência no hospital”, disse.

Entre as doenças mais comuns nos atendimentos de emergência estão apendicite, pancreatite, diverticulite, colecistite entre outras, já entre as situações de trauma, as principais ocorrências são com as vítimas de acidentes de trânsito, que, segundo o Conselho Federal de Medicina, mandam para o hospital 20 pacientes a cada hora no Brasil, além de ferimentos por armas de fogo e arma branca, quedas, queimaduras e acidentes em geral.