Mitos e verdades sobre o câncer de pulmão


O hábito de fumar é nocivo à saúde e responsável por diversas doenças, sendo a principal delas: o câncer de pulmão. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), os fumantes têm 20 vezes mais chances de desenvolverem o carcinoma. O Instituto Lado a Lado pela Vida (LAL), como forma de alertar a população em geral sobre a doença, desenvolveu a campanha Respire Agosto. 

Participaram da live Marlene Oliveira, presidente do LAL; Fernando Vidigal, coordenador médico e oncologista da Oncologia Dasa, regional Brasília; Ciro Kirchenchtejn, pneumologista da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e membro do Fórum de Tabagismo da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT). A mediação foi de Andressa Simonini, editora-executiva da Revista Pais & Filhos. 

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), o câncer de pulmão é segundo mais comum no Basil e o que mais mata, sendo responsável pela morte de 29.354 pessoas, em 2019. A presidente do LAL, Marlene Oliveira, aponta para a necessidade de a população estar devidamente informada sobre as causas do câncer. "Os mitos relacionados à doença precisam ser quebrados. É um erro pensar que só os fumantes podem desenvolver a doença. Outros fatores podem ocasionar o surgimento, como o histórico familiar e diversas atividades laborais, por exemplo. 

 

Mitos e verdades sobre o câncer de pulmão

 

1 - O cigarro eletrônico é menos nocivo que o cigarro tradicional.

Mito. O cigarro eletrônico é maléfico para a saúde do pulmão e aumenta as chances do desenvolvimento do câncer. Um estudo desenvolvido pela Universidade de Portland, nos Estado Unidos, constatou que o vapor dos cigarros eletrônicos pode ser 15 vezes mais cancerígeno que o cigarro tradicional, devido a uma substância chamada formaldeído, presente no produto.

 

2 - Fumar narguilé não faz tão mal à saúde.

Mito. O uso de tal artifício aumentam as chances do surgimento do câncer. O Narguilé utiliza água para resfriar a fumaça e proporciona uma inalação mais profunda. Com isso, as substâncias cancerígenas, como metais pesados e altos níveis de nicotina, penetram nos pulmões com mais facilidade. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), a absorção do cobalto, por exemplo, é maior em uma sessão de narguilé, equivalente a 100 tragadas, em comparação a fumar um único cigarro. A inalação corresponde a 70ng e 0,13ng respectivamente. 

 

3 - Só desenvolve câncer de pulmão quem é fumante.

Mito. Os fumantes têm maior propensão ao desenvolvimento desse tipo de câncer, perfazendo o total de cerca de 80% dos acometidos pela doença, já que o tabaco é o principal fator de risco. Porém a exposição ao gás radônio e ao amianto, por exemplo, também são fatores que acarretam o desenvolvimento da doença e quem trabalha diretamente exposto a esses componentes devem estar atentos e realizar exames periódicos. O histórico familiar também deve ser observado.

 

4 - Fumante passivo pode ter câncer de pulmão.

Verdade. A exposição ao tabagismo, mesmo sendo passiva, aumenta os riscos do surgimento da doença. A inalação da fumaça é um fator de risco. Por isso é importante estar alertas também às crianças, que podem ser fumantes passivos por conviverem com adultos tabagistas.

 

5 - Abandonar o hábito de fumar depois de muitos anos, auxilia no não desenvolvimento do câncer.

Verdade. Nunca é tarde para largar hábitos nocivos à saúde. Por mais que a pessoa tenha fumado por muitos anos, o fato de ela interromper o uso impacta de forma positiva na saúde e na qualidade de vida. Segundo especialistas do Comitê Científico do LAL, na terceira semana sem consumir tabaco é possível observar a melhora da respiração e da qualidade do sono. Depois de 10 anos sem fumar, o risco de infarto é equivalente ao de uma pessoa que nunca fumou.

 

6 - Câncer de pulmão tem cura.

Verdade. A detecção precoce, aliada a um tratamento adequado, aumenta as chances de cura. Uma pesquisa do Instituto Nacional do Câncer no Estados Unidos revela que 55,2% dos pacientes que obtiveram um diagnóstico da doença ainda localizada alcançam uma sobrevida de 5 anos ou mais. Com a radiografia do tórax, um exame simples, é possível detectar a presença do tumor e combater seu desenvolvimento. Para isso, é imprescindível a ida frequente ao médico e o check-up anual.

 

7 - Poluição atmosférica também é um fator de risco.

Verdade. O contato com a poluição pode aumentar a incidência do câncer de pulmão. O despejo de gás carbônico emitido pelas chaminés das indústrias, assim como outros gases, também é prejudicial.

 

Por: Nicolli Oliveira

NOSSOS PARCEIROS