Lúpus em tempos de pandemia


Doença inflamatória autoimune, o Lúpus atinge milhares de brasileiros. Por isso, é importante conscientizar e fazer um alerta sobre a doença que ainda não tem cura, mas tem tratamento. A doença é resultante de um desequilíbrio do sistema imunológico, que leva a uma maior ação de citocinas pró-inflamatórias, que perpetuam o processo e agridem o organismo. E diante desse novo cenário de pandemia, existem inúmeras dúvidas sobre o impacto da COVID-19 em pacientes que sofrem com esse transtorno.

O reumatologista do Grupo Oncoclínicas no Espírito Santo Dr. Ruben Horst Duque explica que os pacientes com doenças crônicas, incluindo as doenças autoimunes como o Lúpus, são considerados grupos de risco e devem procurar seguir as orientações como o distanciamento social.

 “As orientações são de uma forma geral as mesmas para toda a população:  distanciamento social, evitar aglomerações, uso de máscaras, sem esquecer-se de higienizar as mãos com água e sabão ou álcool em gel. Além disso, as particularidades inerentes a cada paciente:  não interromper o tratamento sem a devida orientação de seu médico-assistente e, em caso de sintomas infecciosos, sempre comunicar a equipe médica e evitar automedicação”, pontua Dr. Ruben.

O médico clínico do Grupo Oncoclínicas no Rio de Janeiro Dr. Marcelo Caldeira salienta que tão importante quanto a reforçar medidas de prevenção ao novo coronavírus é popularizar os sintomas do Lúpus a fim de aumentar os números de diagnósticos precoces: “Entre seus diversos sintomas estão febre, lesões na boca, ansiedade, Fadiga, mal-estar, lesões na pele que aparecem ou pioram quando expostas ao sol, dificuldade de respiração, dor no peito ao inspirar profundamente, dor de cabeça, desequilíbrio mental e perda de memória, linfonodos aumentados, além de dores nas articulações e músculos e inchaços e rígidos. Propagar esses sinais pode ajudar a minimizar o diagnóstico tardio e favorecer o tratamento desde o surgimento da doença, feito com medicamentos específicos e de acordo com cada caso, sempre sob orientação médica”, observa Caldeira.

Tratamento deve ser mantido

Um dos questionamentos mais recorrentes é se é possível adiar o tratamento durante esse momento delicado. Para o reumatologista, é preciso avaliar o "Risco versus Benefício", além das evidências científicas, e isso é um processo dinâmico, avaliado em diversos cenários clínicos no dia a dia. Cada caso deve ser avaliado individualmente junto com o médico. "Se o paciente está com a doença grave e ativa no momento, o tratamento não deve ser interrompido. O benefício do tratamento supera os eventuais riscos na ausência de infecção ativa", explica.

Durante o tratamento, para proteger pacientes e funcionários e clínicas do Grupo Oncoclínicas estão tomando inúmeras medidas de prevenção.  “Temos o cuidado de ligar para os pacientes no dia anterior a consulta, interrogando aos mesmos sobre sintomas como febre, tosse, diarreia.  Caso exista algum sintoma presente, o médico entra em contato por telefone ou mesmo via telemedicina, evitando a necessidade de deslocamento até a clínica. A telemedicina também tem sido sugerida aos demais pacientes, independente de sintomas gripais, como uma maneira de prevenir aglomerações nas salas de espera, e não deixar desassistido o paciente. Para casos pontuais que necessitam de consulta presencial, os horários estão mais espaçados”, diz.

Entre os medicamentos usados por pacientes com Lúpus estão a cloroquina e a  hidroxicloroquina. Ambas ganharam destaque recentemente por serem uma possível aposta contra o coronavírus. A procura pelo remédio aumentou e fez até mesmo a substância sumir das prateleiras das farmácias. Dr. Ruben esclarece que pacientes com Lúpus que fazem uso desse medicamento não são resistentes ao vírus e não devem afrouxar as medidas de proteção. “De forma nenhuma. A hidroxicloroquina é um medicamento de suma importância para os pacientes com Lúpus, mas não confere proteção contra infecção de nenhum vírus, muito menos o novo coronavírus”, alerta.

Dr. Caldeira corrobora as orientações de Dr. Ruben: “O Lupus ainda é uma doença incurável. A cloroquina e a hidroxicloroquina são medicamentos para tratamento paliativo e vitais para a qualidade de vida do paciente com Lúpus. Ainda não há pesquisas que comprovem sua eficácia no combate ao COVID-19. Por isso, mesmo em contexto de pandemia do novo coronavírus, é crucial que o paciente mantenha seu tratamento, evitando graves complicações do Lúpus, como falência renal, pleurisia, vasculite (aumento no risco de sangramentos e inflamação dos vasos), inflamação do músculo cardíaco, elevando o risco de infarto, além de desequilíbrio de funções cerebrais, ocasionando desde dor de cabeça, tontura, mudanças de comportamento e alucinações, derrames cerebrais (AVC) e convulsões”, finaliza o médico clínico do  Grupo Oncoclínicas no Rio de Janeiro.

Para obter mais informações, visite www.grupooncoclinicas.com.

NOSSOS PARCEIROS

Nós protegemos seus dados

Saiba como usamos seus dados em nosso Aviso de Privacidade e Termo de Uso. Ao clicar em “Aceitar”, você concorda com os Termos de uso e a Política de Privacidade da LaborNews.